Arte de amar

No Comments »


Nathalia Giordano


Inspirado na peça AMOR que participei com o delicioso grupo Espaço Mágico. Trabalhamos durante um ano, juntei o que me restou das possíveis formas de amar e trago um breve relato.


Inspirado na peça AMOR do grupo Espaço Mágico 
Ir contra palpites óbvios. Ouvir conselhos, virar a esquina. Correr ao seu encontro. Te seguir pelos corredores como uma sombra que escolta seus passos. Deixar o teu calor a alguns metros para fazer o jantar. Te fazer o jantar. Atentar-me a sua respiração ao dormir, ameaçar um abraço, mas virar para o lado. Inflar pulmões com cheiro de vísceras humanas e te querer. Tremer a abstinência de afeto quando não há mais o que oferecer, pedir ainda mais. Não levar a sério suas paranoias. Acampar o tédio em mim ao ouvir em silêncio seus monólogos, assustar-se com o entardecer silencioso. Engolir lágrimas ásperas. Esconder meus defeitos, mas apresenta-los diariamente como um todo. Assistir às falhas de comunicação. Usar suas roupas. Sentir seu cheiro durante o dia, pulsar a saudade em sague quente. Dizer que não posso te encontrar, mesmo quando o peito se dilacera com a distância. Praguejar. Desejar não ter te conhecido, implorar para que o destino cruze ainda mais nossos caminhos.  Reclamar da presença, chorar. Rasgar-se angustiada. Morrer. Morrer de insegurança. Acabar com o amor, fazê-lo renascer no epicentro de todas as flores ao seu redor. Dormir com pés quentes. Aceitar o humor ranzinza, pedir mais afeto em contraponto. Deitar árabe em cama israelita. Assustar-se em brigas, ir embora. Abandonar nosso ninho, voltar três vezes. Errar, aceitar desculpas. Pedir perdão. Errar de novo.  Perder a realidade. Delirar. Sofrer palpitações noturnas, querer te acordar no meio da noite, não se mover. Acalmar-se ao te observar dormir. Ver seus pais. Ver você nos defeitos que reclama neles. Gostar de vocês juntos. Planejar o futuro, perceber que somos péssimos em criar rotas e cancelar todas elas. Habitar planetas distantes, suplicar por colisão. Sonhar com filhos, apavorar-se. Contemplar o mais belo quadro, a posição bagunçada em que ficam nossas escovas de dentes. Repugnar a proximidade. Esperar por um casamento, achar uma bobagem colossal. Implorar por provas de amor, não precisar de mais nada. Guerrear. Estrebuchar. Mergulhar em loucuras conjugais. Listar mil razões para partir, uma a mais para ficar. Se afastar, voltar sedenta. Aceitar o fim, recomeçar a cada instante. Alcançar seu íntimo, te conhecer. Implorar pela abstinência, beber mais. Suar corpos libidinosos. Brigar. Chorar a desesperança, sorrir o amor eterno. Rir do efêmero, sentir o infinito. Aceitar. Te aceitar.

Sapo alucinógeno

No Comments »


Esse texto é contra a exploração de animais, mas a favor da compreensão das possibilidades da natureza. Sim, existe uma espécie de sapo que libera DMT

Isadora Otoni



Existem muitas polêmicas a cerca do que será exposto nesse texto. Por isso, peço para que você leia até o final para entender minha linha de raciocínio, e assim questionar o que você sentir que deve ser questionado. Eu aprecio o convite ao debate.

Há algum tempo, em uma roda de conversa entre amigos fritos, jogaram um assunto que me deixou muito curiosa: é possível utilizar o veneno liberado pelo sapo para fins recreativos. Encontrei com dificuldade algumas informações na internet sobre o tema. O texto mais confiável que encontrei sobre o assunto foi o estudo Alucinógenos Naturais: um Voo da Europa Medieval ao Brasil, publicado em 2009. Ainda assim, a referência ao tema é breve, resumido ao seguinte trecho: "A bufotenina, alucinógeno extraído da pele do sapo, possui propriedades alucinógenas muito semelhantes à DMT. A diferença entre estes alucinógenos é a presença de uma hidroxila na estrutura da bufotenina. Esta substância é produzida por espécies vegetais do gênero Anadenanthera e encontrada na pele de sapos do gênero Bufo.”

Conversei então com o biólogo Thiago Vinicius Pereira, que apesar de nunca ter realizado uma pesquisa sobre o tema, me explicou sobre o sapo alucinógeno. Na realidade, o bufotenina é composto por Dimetiltriptamina (DMT), toxina triptamina do grupo dos alcalóides. Esse grupo de substâncias psicoativas era muito usado pelos xamãs com fins medicinais, como cura do câncer e outras doenças. Fazem parte desse grupo a cafeína, cocaína, psilocibina (do cogumelo), codeína (da papoula) e outros nomes que você provavelmente conhece.


Rhinella marina (Wikimedia Commons)
Segundo Thiago, o bufotenina pode ser encontrado nas espécies Rhinella marina, encontrada principalmente na mata atlântica no Brasil, e Bufo alvarius, original dos Estados Unidos. Por meio das glândulas que ficam atrás dos ouvidos dessas espécies, podemos obter o DMT. Se essa foi a primeira vez que você ouviu falar nessa substância, saiba que ela é considerada como um enteogênico. Ao pé da letra, isso significa que ela causa a “manifestação interior do divino”. Mas pode também ser considerado um forte alucinógeno por alterar seu estado de consciência.

Mas para usar o DMT, explorar um sapo não é o melhor caminho.

Primeiro, porque você teria que tirar o animal de seu habitat natural e submetê-lo ao estresse de extrair o DMT de suas glândulas. Isso é exploração. E talvez exista gente que faça isso sem ter essa consciência.

Bufo alvarius (Wikimedia Commons)
Segundo, porque existem outras toxinas presentes no veneno dos sapos Rinella marina. A ingestão oral destas substâncias podem ocasionar efeitos colaterais inesperados, como ataques epilépticos, coma e eventualmente a morte. 

Terceiro, porque existem outras formas de experimentar o DMT. A natureza é tão fascinante que essa substância pode ser encontrada em vários gêneros de plantas, como Acacia, Anadenanthera, Chrysantheum, Psychotria, Desmanthus, Pilocarpus, Virola, Prestonia, Diploterys, Arundo, Phalaris. Esse é, inclusive, o princípio ativo da ayahuasca, bebida utilizada em rituais como o de Santo Daime. O próprio corpo humano sintetiza DMT. De acordo com estudos do psiquiatra Dr. Rick Strassman, a glândula pineal é a provável responsável por isso (recomendo uma pesquisa sobre outras possíveis responsabilidades da glândula pineal).

Preparo de ayahuasca (Wikimedia Commons)
Se por algum instante você se sentir desconfortável com esse texto e pensar que ele faz apologia às drogas, relembre: As drogas estão aí há milênios. Elas nascem da terra. É utópico pensar que alguma política conseguirá exterminá-las. Então, o melhor caminho é desmitificar as drogas, legalizá-las, e trabalhar com a redução de danos.

Ps: Esse texto não tem nada a ver com a “vacina do sapo”. Essa vacina é extraída da perereca amazônico Phyllomedusa bicolor, ou Kambô. A aplicação do veneno causa grande desconforto (calor, náuseas, dores no estômago) por aproximadamente 15 minutos. Essa medicina é usada para fortalecer o sistema imunológico e para afastar o “panema” (má sorte).

Pergunte ao sertanejo se ele anda de Camaro

No Comments »

Dizem que a cultura goiana vive seu auge, que o sertanejo está sendo realmente valorizado. Catira que é bom ninguém tá dançando
Isadora Otoni


Até a primeira metade do século XX, a ocupação do espaço goiano era predominantemente rural. A identidade cultural do estado era, portanto, a sertaneja. Devido à explosão do sertanejo universitário, o senso comum é de que a cultura goiana nunca esteve tão em voga, tão valorizada. No entanto, a cultura sertaneja não se encaixa com sertanejo universitário.

A dissertação “Felicidade engarrafada: Bebidas alcoólicas nas músicas sertanejas” revela, por exemplo, que dos 48 artistas do gênero mais famosos segundo o site “www.letras.terra.com.br”, apenas 7 não possuíam músicas relacionadas ao consumo de álcool. Um possível resumo das 243 letras que a pesquisadora Mariana Lioto catalogou é a música “Eu vou zuar e beber, vou locar uma van e levar a mulherada lá pro meu AP”, de Henrique e Diego.

Isso mostra que outro tema recorrente do sertanejo universitário é a ostentação, como no hit Camaro Amarelo da dupla Munhoz & Mariano: “Agora eu fiquei doce igual caramelo, tô tirando onda de Camaro amarelo". Uma pesquisa no Google evidencia que não só as letras giram em torno de uma felicidade material (Tipo Jurerê e Vem Ni Mim Dodge Ram), mas também os clipes trazem a imagem de um homem branco, heterossexual que se impõe às mulheres e, acima de tudo, rico (Piradinha e Empinadinha).

Não vou entrar no domínio do machismo, porque a tradição goiana nunca foi a de igualdade de gêneros. Entretanto, não identifico o homem sertanejo como a figura predominante no sertanejo universitário. Provavelmente essa nem é a ideia, então precisamos parar de achar que a cultura goiana está sendo valorizada.

O povo goiano tem origens de indígenas (os Goyá, oras) e de quilombolas (encontrei registro de pelo menos 12), além dos bandeirantes que nos colonizaram. Nossa cultura não é tradicionalmente europeia.

Quando penso em cultura sertaneja, lembro do que minha professora da primeira série tentou resgatar no imaginário de seus alunos. Os mutirões, por exemplo: era comum na sociedade rural que os vizinhos realizassem um trabalho coletivo para alguém que estava necessitando, e em troca, o necessitado oferecia uma festa. Nesses eventos, tocavam sanfona, dançavam catira, bebiam, é claro, e também se serviam de banquetes típicos (outra prova de que a cultura goiana não está tão em voga é que em São Paulo só temos dois restaurantes típicos. Eu tô com saudades da nossa pamonha, galera).

E não preciso ir tão longe da minhas próprias experiências. Meu pai morou na fazenda até os 7 anos, voltando todas as férias para roça até os 16 anos. Ele me contou que ouviam só as rádios AM porque lá não pegava FM, destacando o Programa do Zé Bettio, de música caipira, que fez muito sucesso nos anos 80. A agricultura da família era bem pequena, e tudo era construído com coletividade.

Da fazenda de nossa família, eu lembro de quando nos reuníamos para fazer pamonha: desfolhar o milho, tirar os “cabelos”, ouvir um modão sertanejo e fofocar sobre todo mundo da cidade inteira.

Os eventos mais bonitos e ricos que vi na cidade em que nasci, por exemplo, eram os religiosos. As procissões que passavam na frente de casa, com todos segurando velas acesas, enchiam meus olhos. A Folia de Reis, que também está presente em outros estados, me deslumbrava com comidas típicas, músicas poéticas, instrumentos e figurinos artesanais e palhaços que me amedrontavam.

Fica aqui um desejo de que não reduzam mais Goiás ao sertanejo universitário, e de que o sertanejo universitário termine sua graduação.

O sertanejo que meu pai lembra:

Legenda foto: Encontro de Folia de Reis em Goiânia. Créditos: Comissão Goiana de Folclore

Chá de hibisco com PCP

1 Comment »

Tecnoxamanismo: o irônico é que são os índios que nos inspiram a usar a tecnologia para refletir e desacelerar


Isadora Otoni



Você não discordaria de mim se eu dissesse que ao nosso redor, as pessoas estão cada vez mais com pressa. No feed do Facebook, os nossos contatos pedem para se desdobrarem em dois, reclamam da falta de tempo e das noites mal dormidas. É comum que alguns deles resolvam esse tempo corrido com apetrechos tecnológicos. Fazer uma entrevista por e-mail consome muito menos tempo do que pessoalmente. Usar o Google é bem mais prático do que o hábito demodê de ir à biblioteca. Pedir comida por um aplicativo é tão simples que ninguém questiona como seu pedido chega até sua mesa.

Mas essas pessoas são sempre tão aceleradas assim? A tecnologia também também pode ajudá-las a refletir pau-sa-da-men-te? O que está faltando?

Segundo um grupo de artistas e jovens intelectuais, falta primitividade. Eles superam a falta de reflexão e do “fazer com as próprias mãos” com o tecnoxamanismo: um híbrido entre tecnologia e xamanismo.

O conceito começou a ser vivenciado por esse grupo após a psicóloga Fabiane Borges propor a eles um festival de tecnoxamanismo em outras terras. Eles tentaram arrecadar dinheiro por crowdfunding, mas foi necessário organizar uma festa no Teatro Oficina, em São Paulo, para completar a grana. Mas eles conseguiram realizar o I Festival de Tecnoxamanismo.

"Foi um primeiro festival bem tímido em um sítio, ITAPECO (Instituto de Tecnologia Alternativa, Permacultura e ECOlogia), em Arraial D’Ajuda, na Bahia”, conta P I L A N T R Ö P Ó V. "A gente foi com o Ônibus Hacker. De lá praticamente consolidou o grupo que trabalhamos hoje, que são os Ney (Neyland)”.

Para aprender mais das práticas médicas, religiosas e filosóficas indígenas, o grupo teve contato com uma tribo Pataxó durante o festival. Os índios fizeram uma recepção aos jovens no primeiro dia. O segundo dia foi marcado por oficinas. No outro, um casamento foi realizado, cerimônia que não era feita há mais de dez anos pela tribo. “Por mais que seja uma integração tímida, porque nós não somos índios, foi super intenso pra gente”, conta P I L A N T R Ö P Ó V.

Diego Monte Alto, outro Ney, relata que um grande ponto positivo para o tecnoxamanismo é justamente o resgate da cultura indígena. “Eu sei de onde veio os meus parentes da Áustria e da Itália, mas não faço ideia de que tribo veio minha família, ou até de que lugar da África veio minha bisavó que foi escravizada”. Ele também lembrou que os próprios pataxós passavam por um resgate de sua cultura. Com tantas perseguições, a tribo perdeu o hábito de falar sua própria língua.

Tecnologia amiga

“Eu tinha um pouco de implicância com o termo tecné. Até foi um preconceito que foi diluído durante o percurso que a gente fez com o Keroaska e o Free Folk”, conta P I L A N T R Ö P Ó V, citando outros projetos artísticos que participa. “Antes a gente não usava energia elétrica, pensando que ela estabelece pontos de poder. Ou seja, só quem tem energia pode fazer tal coisa. Hoje em dia tocamos com instrumento acústico e eletrônico ao mesmo tempo”.

“Aí você vai entrar em contato com a tribo e ela tem seu próprio aparelho de gravação de vídeo, tem câmeras, celulares, eles fazem registros. E são xamãs”, relata Diego.

A tecnologia não vai ser descartada, então a solução apresentada é subverter o seu uso. Sendo assim, o tecnoxamanismo também pode ser apresentado em detalhes, como nas substâncias oferecidas para a realização de um ritual no festival de ITAPECO. Eles ofereceram Cactos wachuma, ayahuasca e chá de hibisco com PCP, substância sintético que causa alucinações.

Apropriação cultural

Apesar de utilizarem referências do xamanismo, o grupo não é formado por indígenas. Eles reconhecem isso. Por isso, uma crítica ao novo conceito é de apropriação cultural indevida, ao que rebatem dizendo que o tecnoxamanismo “é livre para todos”.

Entretanto, podemos afirmar veemente que mesmo passando dificuldades, um jovem paulistano tem uma vida mais fácil do que um índio Pataxó. Até porque nós não estamos resistindo há 500 anos a uma cultura hegemônica, nem somos assassinados só porque queremos um pedaço de terra para morar.

Legenda foto 1: Geodésica, espaço criado para o Festival de Tecnoxamanismo. Créditos: Nubia Abe.
Legenda foto 2: P I L A N T R Ö P Ó V e Diego Monte Alto, integrantes do Neyland. Créditos: Rafael Amambahy.

Melancolia

No Comments »

Nathalia Giordano

Lá vem ele, está me seguindo pelas esquinas de novo. 


Essa semana resolveu amarrar minhas mãos, deixou meu trabalho acumulado. Logo eu que havia despistado esse devorador de almas, jurei que a minha seria poupada. 
Haja força para manter o corpo funcionando, para deixar a vida nos trilhos. Como um carrossel, um cavalgar atrasado e, num piscar de olhos, estão todos perdidos fora do ciclo. Lá fora, a plateia assiste a tragédia e diz que a culpa é de quem deixou o primeiro cavalo desacelerar.
O nosso bater de asas é regrado, quem voa mais alto está fadado à queda. Justo seria se a rotação da Terra respeitasse a individualidade de cada voo.
E lá vem ele, gritando nos meus ouvidos que não vou conseguir voltar ao céu. Hoje me disse que os cavalos do meu carrossel se perderam por aí. Os desestímulos são tão altos que não consigo mais ouvir minhas próprias ideologias. Tanto faz. Quem era eu mesmo? Olhei no espelho e vi o reflexo assustador dele.
Ao abrir os olhos, todas as manhãs, vejo aquela sombra rondando as paredes do meu quarto. De novo, eu tinha prometido dessa vez chegar a tempo no trabalho, mas ele me prendeu na cama. Fiquei amarrada pelo peito, rolando de um lado para o outro até me soltar. O relógio, maior que eu, avisando que não daria tempo. Não deu.
Lá vem ele, está me seguindo pelas esquinas de novo. Vou correr mais rápido, vou abraçar vencedores, vou me munir de armas. Hoje ele me alcançou, mas amanhã não me pega.